Venezuela: golpistas são contidos pela ação do exército venezuelano

Compartilhar:

No domingo (6), o exército venezuelano conseguiu conter uma rebelião de setores golpistas contra o governo de Nicolás Maduro. A rebelião aconteceu na cidade de Valência, localizada ao norte do país, onde um grupo de militares da Guarda Nacional, no Forte Paramacay, liderados pelo capitão Juan Caguaripano, se insurgiram contra o governo chavista.

O início da rebelião se deu por volta das 5 horas da manhã de domingo, quando um grupo composto de 15 pessoas, após a divulgação de um vídeo nas redes sociais e nos meios de comunicação, se declararam em oposição ao governo de Nicolás Maduro. Dentre as reivindicações do grupo estavam o fim da Assembleia Constituinte e a convocação de eleições livres.

Logo após o anúncio, o exército venezuelano cercou o forte e com a ajuda de helicópteros e soldados o invadiu, conseguindo rapidamente conter a rebelião desse setor ligado aos golpistas. Na ação, oito pessoas foram presas e duas foram mortas pelas forças armadas chavistas.

O presidente Nicolás Maduro parabenizou a ação, “na última semana ganhamos no voto, nessa vencemos com balas”, declarou fazendo referência à vitória do exército e a aprovação da Assembleia Nacional Constituinte, após uma intensa campanha de sabotagem feita pela direita.

Ainda de acordo com o governo venezuelano, o capitão Juan Caguaripano já vinha sendo procurado desde 2014 por traição à pátria. Ele estaria, até então, foragido nos EUA. O governo denunciou também que tanto Caguaripano, como seu grupo, teriam sido financiados e recebido treinamento militar nos EUA e na Colômbia.

A rebelião acabou paralisando uma sessão da Assembleia Nacional Constituinte que estava marcada para o domingo.

Nos últimos meses têm se intensificado o avanço da direita golpista na Venezuela. Impulsionada diretamente pelo imperialismo, a direita partiu para a ofensiva direta contra o governo chavista de Maduro, na tentativa de derrubá-lo, como querem os grandes monopólios internacionais.

Reagindo a essa ofensiva, o governo venezuelano convocou uma Assembleia Nacional Constituinte que foi aprovada pela maioria da população, apesar de toda a campanha e a violência da direita contra sua realização.

A situação no país caminha para uma guerra civil o que exige uma resposta. A luta contra os golpistas na Venezuela é parte da luta que vem sendo travada contra o imperialismo no mundo todo neste momento.

artigo Anterior

Por que não há ato contra Temer?

Próximo artigo

Golpe na Venezuela: mercenários tentam fazer ataque ao Forte do Paramacay, em Valencia. Governo consegue derrotar ação golpista

Leia mais

Deixe uma resposta