Clínicas da família e postos do Rio funcionam sob tensão após rumores de fechamento

Compartilhar:

Notícia de possível fechamento de 11 unidades de saúde no Rio de Janeiro deixou funcionários e usuários preocupados. O jornal Extra publicou que o corte poderia ser de 65% no contrato com a organização social ABAS, que cuida da administração dessas clínicas.

É importante rever que o Estado do Rio de Janeiro, bem como os municípios, vive uma situação bastante complicada em termos econômicos e financeiros, praticamente falidos. Crise que é agravada pela política golpista de cortes do governo federal.

O governo de alguns prefeitos fluminenses, como é o caso do de Marcelo Crivella, buscam, através de ataques aos trabalhadores, descarregar parte dessa crise em seus ombros.

Entretanto, essa reflexão não pode ser unilateral e é importante denunciar que setores da direita mais ligados ao imperialismo, como a Globo, o PSDB e o DEM, estão procurando usar essa situação de crise e atrito dentro do PMDB para tomar o poder no Rio e empregar reformas que vão piorar a condição dos trabalhadores.

Em outras palavras, ao mesmo tempo em que a direita de Crivella ataca os trabalhadores, a direita mais radical prepara uma mudança ainda pior, como antes fizeram com a presidente Dilma Roussef, em uma escala muito reduzida, pois criticavam um ajuste fiscal, mas preparavam os cortes que seguiram após o golpe.

artigo Anterior

Mobilizar contra a privatização da Cemig

Próximo artigo

O golpe e a direita continuam fracassando na Venezuela

Leia mais

Deixe uma resposta