Golpistas cortam 75% do orçamento destinado a comunidades quilombolas

Compartilhar:

O corte de recursos do orçamento, anunciado pelo governo golpista no início do mês de julho, demonstra para toda a população a verdadeira intenção de derrubar, através de um golpe, o governo de Dilma Roussef. O que chama a atenção sobre a redução dos recursos é que os cortes são em áreas estratégicas para aliviar o sofrimento da população pobre e trabalhadora do país.

No caso da população negra que formaram os quilombos como forma de resistir e lutar contra a escravidão, as verbas para dar apoio e reconhecimento a essas comunidades foi quase que nula.

Segundo os dados oficiais, o Instituto de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) reduziu os valores de indenização de imóveis em territórios quilombolas em mais de 75%, se compararmos ao ano de 2014. Os valores, que já eram baixos, foram reduzidos de R$ 13,2 milhões em 2014 para R$ 3,5 milhões em 2017.

Outro setor importantíssimo na questão dos quilombolas é o reconhecimento de suas terras de ocupação tradicional. Nesse caso, os recursos caíram de R$ 3,4 milhões para R$ 1,3 milhão. Ou seja, na prática acaba com o reconhecimento de áreas de quilombos.

Desde o início do golpe, a direita ataca os direitos do povo negro, que representa a maior parcela da população pobre e trabalhadora do país. A questão dos territórios quilombolas e a paralisação do reconhecimento e demarcação está sendo duramente atacada pelos latifundiários e grileiros de terras.

O corte no orçamento do INCRA representa uma grande ofensiva contra os direitos do negro, que juntamente com outras frentes que persegue e assassina lideranças do movimento negro, querem acabar com a demarcação e expulsar os quilombolas de seus territórios.

No campo atacam duramente os quilombolas e sem-terra, nas cidades os negros são tratados como criminosos e assassinados pela polícia. A direita golpista não quer nenhum direito para a população negra. Atacam direito a terra, direito a moradia, cotas raciais, direitos trabalhistas e por aí vai.

A população negra tem que sair às ruas contra o golpe até a derrota da direita fascista que tomou o governo de assalto.

artigo Anterior

O campo encharcado de sangue: os golpistas fazem de 2017 o ano mais violento na luta pela terra

Próximo artigo

Enquanto privatiza tudo, Doria quer diminuir gastos públicos

Leia mais

Deixe uma resposta