Imprensa golpista ataca emenda de petista para defender ditadura do judiciário

Compartilhar:

O relator da reforma política na Câmara, deputado Vicente Cândido (PT-SP), articula incluir em seu parecer um dispositivo para impedir que candidatos sejam presos até oito meses antes das eleições.

Atualmente a lei diz que 15 dias antes das eleições candidatos não poderão ser detidos ou presos, salvo o caso de flagrante delito.

Trata-se da tentativa, ainda que limitada, de estabelecer uma salvaguarda  diante do fato de que o judiciário golpista atua claramente como poder imperial que busca criar restrições e cassar candidatos e partidos (bem como eleitos) que não sejam de agrado dos setores reacionários que controla o poder dos “homens de toga”.

Rapidamente a imprensa golpista saiu em campanha contra a medida apresentando-a simplesmente com uma medida “salvar o Lula” e não com a tentativa de garantir um direito democrático de que o judiciário nã tenha  poder absoluto de decidir, por meio de suas sentenças, quem deve ser perseguido, condenado e impedido de participar das eleições.

Esta mesma imprensa encobre o fato de que esta mesma “isenta” justiça e os partidos burgueses atuam clara e abertamente, sem nenhuma imparcialidade e de forma arbitrária para salvar os chefes das máfias políticas que defendem os interesses do grande capital internacional e “nacional”.

Evidentemente que estas propostas parlamentares de contenção da ditadura do judiciário, tendem a ser rejeitadas pelo congresso golpista e são ínoquas frente ao golpe de estado que vem se processando no país contra a esquerda e todo o movimento social.

Para superar esta política de parlamentar é preciso realizar uma grande mobilização dos trabalhadores é preciso enfrentar e superar a política e organizar a greve a partir das escolas, fábricas, formar comandos regionais e comitês de mobilização com os trabalhadores, que precisam ser convocados para participarem da mobilização contra golpe, contra as “reformas” do governo que busca promover a destruição do país e atacar todas as conquistas dos trabalhadores das últimas décadas.

O julgamento de Lula foi uma farsa e sua condenação é uma fraude contra o povo brasileiro. A condenação evidencia a imensa perseguição a Lula e a toda a esquerda, que sofre com um julgamento que começou com a condenação de José Dirceu, num julgamento igualmente desprovido de provas, e com o impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

O ataque a Lula busca anulá-lo politicamente e buscam isso pelo papel de liderança que ele tem no movimento operário, pois é preciso neutralizar as lideranças do movimento para neutralizar suas organizações e o próprio movimento. Trata-se de cassar a participação política dos trabalhadores, para colocar o regime político cada vez mais à serviço de um punhado de tubarões capitalistas.

Ganhar as ruas contra a prisão de Lula é a tarefa fundamental do momento de toda a esquerda e de todo o movimento operário. Medidas parlamentares não vão conter a sanha do imperialismo em arrancar todas as conquistas dos trabalhadores. Somente com greves e mobilização da classe operária vão derrotar o golpe.

artigo Anterior

Ronaldo Caiado: primeiro Lula, depois toda a esquerda

Próximo artigo

Logo depois de criticar os “excessos” contra Temer, Estadão aplaude as arbitrariedades contra Lula

Leia mais

Deixe uma resposta