Revolução Russa: o que estudaremos na 40ª Universidade de Férias do PCO

Compartilhar:

No último final de semana de julho, militantes e simpatizantes do Partido da Causa Operária vão participar da sua 40ª Universidade e Acampamento de Férias.

A programação do curso que será apresentado pelo companheiro Rui Costa Pimenta sobre os 100 anos da Revolução Russa já está definida e abordará seus principais aspectos teóricos e políticos.

Trataremos aqui da programação e buscaremos relacionar os temas aos capítulos do livro de Leon Trótski, a História da Revolução Russa, principal obra do dirigente da revolução, um balanço e um verdadeiro tratado sobre a arte da Revolução.

Cronologia

Os antecedentes desse, que foi o principal acontecimento político da história do século XX, já foram tratados pelo companheiro Rui Costa Pimenta em um artigo publicado na nossa revista digital.

O curso da Universidade de Férias do PCO apresentará aos leitores, em primeiro lugar, os fatos, os principais acontecimentos na luta que, no decurso de nove meses, derrubou o império dos czares, substituindo-o por um governo burguês e culminou com a tomada do poder pela classe operária.

Há, naturalmente, uma infinidade de “cronologias” da Revolução escritas e publicadas desde sua realização. Da cobertura dos jornais burgueses da época (de que o companheiro Eduardo Vasco, colunista do Diário Causa Operária, tratou em três artigos – I, II e III) à vasta coleção de artigos acadêmicos, livros, documentários e publicações diversas da esquerda à direita.

Pretendemos mostrar aos participantes do curso uma cronologia ilustrada, com fotografias e filmes da época, apoiada na descrição dos acontecimentos feita por Trótski em sua monumental obraEsta deve servir para tornar familiares os fatos aos companheiros que ainda não os conhecem, bem como fornecer um guia para a compreensão do significado teórico e político da própria Revolução aos participantes do curso em geral.

Introdução: a importância histórica da Revolução Russa

Na segunda exposição do curso, o companheiro Rui Costa Pimenta tratará da importância histórica da Revolução. O tema foi abordado na palestra realizada pelo companheiro no dia 1º de julho (que pode ser assistida no link para o vídeo abaixo) que serve de introdução à discussão que será aprofundada na Universidade de Férias do Partido.

As três concepções da Revolução Russa

Nessa aula, trataremos das diferentes maneiras como a revolução na Rússia era concebida no interior da Social-Democracia russa: Plekhânov, pioneiro do marxismo russo e, mais tarde, dirigente teórico do menchevismo; Lênin, dos anos da clandestinidade no final do século XIX e à frente dos Bolcheviques que fizeram a Revolução de Outubro e Trótski, líder da insurreição, cujas conclusões da revolução de 1905 encontraram expressão no termo “revolução permanente” e provaram-se corretas em 1917.

As linhas gerais desse aspecto fundamental do debate teórico marxista sobre a revolução foram apresentadas pelo próprio Trótski no artigo “Três concepções da Revolução Russa“, escrito em 1939 como um apêndice à biografia de Stálin, como parte da polêmica travada contra a “teoria” do socialismo em um só país.

A dualidade de poderes e a palavra de ordem de “Todo poder aos sovietes”

O problema da “dualidade de poderes“, expresso na crise aguda das “Jornadas de Abril”, que marcam o fim do primeiro governo provisório (da burguesia liberal apoiado pela pequena-burguesia democrática à frente dos sovietes naquele momento), encontram-se descritos pormenorizadamente nos capítulos da História da Revolução Russa vinculados acima.

A palavra de ordem de “Todo poder aos sovietes” é o centro da luta política, dentro e fora do Partido Bolchevique, nos primeiros meses após a revolução de Fevereiro, como Trótski analisa nos capítulos “Os bolcheviques e Lênin” e O rearmamento do partido”.

As “Jornadas de Julho”

Os acontecimentos que antecederam e a própria semi-insurreição de julho, são descritos e analisados por Trótski nos capítulos “O Congresso dos sovietes e a manifestação de Junho“, “As ‘Jornadas de Julho’, preparação e início” e “As ‘Jornadas de Julho’, o ponto culminante e o esmagamento“.

Marcam o ascenso revolucionário das massas, mostram a potência do seu movimento espontâneo, ainda despreparadas, pouco amadurecidas politicamente, explicado no capítulo “Os bolcheviques podiam tomar o poder em Julho?“.

Os capítulos seguintes, bem como a próxima aula da Universidade de Férias tratarão da tentativa da contra-revolução.

O levante de Kornilov

Neste ponto do curso, será apresentada a preparação e a tentativa de golpe de Estado do general Kornilov.

O livro de Trótski narra e analisa os acontecimentos em uma sequência de capítulos:

O mês da grande calúnia

A contra-revolução levanta a cabeça

Kerensky e Kornilov

A conferência de Estado em Moscovo

A conspiração de Kerensky

O levantamento de Kornilov

A burguesia mede-se com a democracia

As massas expostas aos golpes“”

A arte da insurreição

O terceiro e último volume do livro de Trótski (na edição brasileira) está inteiramente dedicado aos acontecimentos que levaram a classe operária ao poder em outubro de 1917, narrados de maneira eletrizante:

A maré enchente

Os bolcheviques e os sovietes

A última coligação

O campesinato diante de Outubro

Saída do parlamento e luta pelo congresso dos sovietes

A questão nacional

O comité militar revolucionário

Lenin apela à insurreição

A arte da insurreição

A tomada da capital

A tomada do palácio de Inverno

A insurreição de Outubro

O congresso da ditadura soviética

Conclusões

Os dois volumes da obra de Trótski (“A Revolução de Fevereiro” e a “Revolução de Outubro” – que na edição brasileira mais conhecida foi publicado em dois volumes separados) contêm ao final capítulos (aos quais referimos os leitores aqui) dedicados às principais conclusões teóricas e práticas da gigantesca obra da classe operária que, assim como o despontar do imperialismo nos países capitalistas mais desenvolvidos, marca a etapa de guerras e revoluções, de transição do capitalismo decadente para o futuro socialista da humanidade.

Esperamos, com essa breve menção aos capítulos fundamentais da História da Revolução Russa, oferecer ao leitor um panorama e uma orientação sobre onde procurar as bases para a compreensão necessária a todo militante que se dedica à construção do partido revolucionário, à luta pela revolução proletária no Brasil.

Todos à 40ª Universidade de Férias do PCO, estudar os 100 anos da Revolução Russa com quem entende e coloca em prática a teoria revolucionária do marxismo!

artigo Anterior

“Regimento da casa”, por Muna

Próximo artigo

8/7/2014 – “Brasil e Alemanha: “Eles” conseguiram… e agora?” a Seleção brasileira perde historicamente na semifinal da Copa do Mundo 2014 para a seleção alemã por 7 a 1

Leia mais

Deixe uma resposta