Piada sem graça: golpistas querem tirar Correios do prejuízo entregando a marca Sedex

Compartilhar:

Nesta segunda- feira (19-06) a direção golpista dos Correios, sob a presidência de Guilherme Campos, do PSD (Partido Social Democrata), anunciou que o serviço e-Sedex está encerrado.

O e-Sedex possibilita que as compras de mercadorias feitas pela internet sejam entregues de forma rápida e eficiente pelos Correios.

Com o advento da internet, chegou-se a comentar que era o fim dos Correios, pois ninguém mais mandaria cartas, pois as pessoas poderiam utilizar o e-mail e outras redes sociais para se corresponder.

No entanto, a internet realmente levou a diminuição das postagens de cartas, mas produziu outro mercado, o das encomendas compradas via online, que só poderia ser entregue por uma empresa de logística poderosa, como é a ECT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos).

Para dar conta da demanda que vem crescendo ano a ano na venda de mercadorias via on line, e sua distribuição pelos Correios, a ECT criou o serviço e-Sedex, onde as empresas, como as Lojas Americanas, Submarino entre outras, já possuem em suas páginas da internet o serviço da e-Sedex.

Encerrar um serviço altamente lucrativo e que só vem crescendo no mercado de correspondência só desmente a teoria da direção golpista da ECT que está propagando que a empresa está no prejuízo e precisa cortar direitos dos trabalhadores e fechar agências.

Os golpistas estão dispensando uma de suas maiores fontes de renda, e já anunciou em vários órgãos da imprensa golpista, que a qualquer momento irá colocar a venda a marca Sedex.

Não restam dúvidas que os golpistas dos Correios, nomeados pela quadrilha criminosa do golpista Temer, estão na direção da ECT entregando o patrimônio nacional.

Contra esses ataques é necessário derrubar o golpe e todos os golpistas que estão trabalhando contra os trabalhadores e a população brasileira.

 

artigo Anterior

Ato pela anulação do impeachment aponta perspectiva para a luta contra o golpe

Próximo artigo

O trotskismo e a Revolução Russa

Leia mais

Deixe uma resposta