Lava Jato, os “tanques na rua” do golpe de hoje

Compartilhar:

Durante os primeiros combates contra direita golpista, setores que não achavam que existia um golpe em curso, ou pelo menos não queriam achar, levantaram o seguinte argumento: “Não existem tanques na rua”. Confundem a forma pelo conteúdo, os dois fatores são importantes, mas o último tem clara precedência.

Não se perguntaram qual o papel dos “Tanques na rua” no golpe de 64. Durante o golpe, contrarrevolucionário e antipopular, as tropas serviram para fazer o que a burguesia não era capaz de fazer pela força dos mandatos e pela força do voto, controlar e modificar o regime político.

Os dias seguintes ao golpe foram marcados por várias prisões, tortura, e pelo governo dos militares. através dos generais a burguesia modificava o regime, apenas Castelo Branco editou 4 Atos Institucionais (AIs), com estes atos ele fez a sua própria reforma política, ao fechar todos os partidos e criar um sistema bipartidário (AI-2), a eleição indireta (AI-1), sem falar no Ato de plenos poderes (AI-1), entre outras coisas foram sendo feitas.

Não eram votos em Congresso, ou em urnas, eram os “Tanques na rua” que permitiram estas modificações no regime político. Vendo além da farda verde-oliva e da mera aparência do golpe, é bem claro que o golpe de hoje também tem seus “tanques na rua”, hoje este é o papel da Operação Lava Jato. A Lava Jato perseguiu ministros, produziu material para a imprensa golpista derrubar uma presidenta, fizeram o que a direita não conseguiu fazer por meios das instituições e por meio do voto, vencer a presidência.

A Lava Jato violou direitos constitucionais, realizou prisões sem provas, foi uma peça chave no ataque a lideranças petistas, agora com centenas de acusados, ela ameaça a composição do Congresso e a integridade de todos os partidos políticos, menos os da direita golpista

O impeachment era inviável antes da ampla campanha e perseguição da Lava Jato. Está bem claro que a direita golpista, como PSDB-DEM, tem dificuldades em lidar com o Congresso Nacional, a Lava Jato tem sido essencial para administrar este problema, agora com Temer, ela derruba um segundo presidente. A força da Lava Jato não é igual ao de um exército, mas também não é o preço que se paga por usá-la. Boa parte da esquerda pequeno-burguesa chega até apoiá-la, a imprensa golpista tem mais facilidade em dizer que não houve golpe.

A semelhança é tamanha que os golpistas usam a Lava Jata para justificar a Reforma Política que tramita na Câmara dos Deputados, modificar o regime para controlá-lo, e sem o Ministério Público, a Polícia Federal e a República de Curitiba como apoio, esta seria uma tarefa impossível. Como dito, forma é importante, mas o conteúdo é mais. O golpe de ontem e de hoje tem os mesmos objetivos, vários dos golpistas são herdeiros dos de 1964, isso é claro, para aqueles que leem além da segunda página.

artigo Anterior

“Golpe – farsa política em um ato”, uma peça de teatro atual

Próximo artigo

TSE indefere liminares e demonstra que quer derrubar Temer

Leia mais

Deixe uma resposta