Reforma da Previdência: o falso recuo do governo golpista

Compartilhar:

A força que foi ganhando a rebelião iniciada na base governista no Congresso com relação à chamada reforma da Previdência forçou o Executivo a propor modificações no seu projeto inicial. O objetivo é tornar a reforma mais palatável e assim diminuir a resistência dos parlamentares, que precisam prestar contas para suas bases.

Com as modificações o texto final vai prever uma subida gradual durante os próximos vinte anos da idade mínima para a aposentadoria até esta atingir os 65 anos. Isto se aplica aos trabalhadores do Regime Geral da Previdência. Já para os trabalhadores homens do setor público a idade mínima de 65 anos para a aposentadoria terá como ponto inicial o ano de 2028. Além disso também os trabalhadores terão que ficar mais tempo na ativa, o chamado pedágio. Este será de 30% sobre o tempo de contribuição que falta para requerer o benefício pelas regras atuais.

Embora possam parecer um recuo do governo as modificações não alteram praticamente nada o projeto original. É um falso recuo. Tem um caráter imediatista e abrangem apenas uma parcela dos trabalhadores pois limitam-se às regras de transição.

Elas parecem ter sido suavizadas mas, na verdade o ganho com relação à proposta inicial é microscópico. Para a maioria, mesmo dentro das regras de transição, a aposentadoria se desloca para um horizonte remoto. As novas gerações ingressando no mercado de trabalho o farão sem a perspectiva de um dia se aposentar. Na verdade nada mudou. Permanece sendo um ataque impiedoso aos trabalhadores como um todo e deve ser repudiada como um todo. 

artigo Anterior

Luciana Genro: “acredite em todas as delações, menos na minha”

Próximo artigo

CNDH adverte: reforma da Previdência dos golpistas fere direitos humanos

Leia mais

Deixe uma resposta