Para que servem os vereadores do PSOL?

Compartilhar:

O vereador fascista de São Paulo, Fernando Holiday, deu uma lição do que é fascismo, foi contratado e eleito para acuar a esquerda, ameaçar os militantes de esquerda, chegou a interromper uma solenidade do PCdoB e rasgar cartazes, além de vociferar uma ideologia contra os trabalhadores.

Sua presença incentiva todos os grupos radicalizados de fascistas, skinheads e coisas similares, a atacarem a classe trabalhadora e seus representantes, afinal um representante eleito, ainda que mais moderado está fazendo isso. Como última inovação no trabalho sujo de ser um capanga para a burguesia, Holiday declarou que iria visitar as escolas públicas para averiguar se não há “doutrinação” por parte dos professores, para averiguar se suas condições de trabalho são boas ele nunca iria, mas para servir de polícia política e de incentivar a atividade policial ele rapidamente se prontificou.

Os jornais falam que dois jovens vereadores em São Paulo polarizaram a câmara, estes são Holiday e a vereadora do PSOL, recém eleita, Sâmia Bonfim. Ela, talvez de maneira mais descarada, mostra para que servem os vereadores do PSOL e de toda a esquerda pequeno-burguesa, principalmente aquela que não tem vínculos com os trabalhadores.

Sâmia, contrastando com os fascistas, não agiu de maneira incisiva para atacar a direita, não invadiu solenidade para atacar Dória ou qualquer reacionário, a ação da esquerda pequeno-burguesa passa despercebida.

Em alguns momentos, na presença de um jornalista geralmente, eles fazem alguma declaração, nunca se viu um desses parlamentares mobilizar ninguém. Quando a publicidade é muito alta, entram com uma representação, o PSOL é famoso por estas, sempre um tribunal nunca uma manifestação ou campanha política, tentam fazer a população acreditar que o tribunal irá vencer o canhão, mais ingenuidade que nos de 1970.

É muita desigualdade de condições, a polarização comentada pelos jornais é falsa, o fascismo se combate com ação, com mobilização, greve e ocupação, nunca com representação, isso apenas mostra que o movimento operário precisa de ação verdadeira e que alguns grupos de esquerda gostam demais do sistema e do poder judiciário burguês para se chamar de “anticapitalista” ou generalidade do tipo.

artigo Anterior

Novela mostra que Globo sabe onde fica Miami mas não sabe onde fica Belém

Próximo artigo

Imprensa burguesa faz pressão pela volta do financiamento privado de campanha

Leia mais

Deixe uma resposta