Documentos mostram que a ditadura massacrava indígenas

Compartilhar:

A Comissão Nacional da Verdade (CNV) que teve seu início em maio de 2012 e foi até dezembro de 2014 fez um levantamento onde estima-se a dizimação de uma população inteira de várias tribos indígenas.

Foram mais de 8 mil índios e a pesquisa se deu a partir do período de 1946 até 5 de outubro de 1988.

Há vários exemplos de como se deu a dizimação do povo indígena em várias regiões do país, um deles é o massacre das tribos Parakanãs e Beiço de Pau (Tapayuna), uma situada no Pará e outra no Mato Grosso, respectivamente. Além das atrocidades produzidas pela ditadura, os relatos desse período sombrio da história mostram que a perda de várias vidas indígenas se deu justamente por omissão de quem deveria protegê-los: os agentes públicos da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Há documentos que provam o envolvimento dos militares, bem como da Funai, tanto na tomada das terras dos índios quanto de sua dizimação.

Não é preciso de muito esforço para perceber que esse número era somente a “ponta do iceberg” do massacre sofrido pelos índios.

Pode se contar muito mais, pois o próprio responsável por produzir o relatório depois de inúmeros pedidos de socorro dos índios, o coronel Antônio Augusto Nogueira, chefe da 2ª Delegacia Regional da Funai, no Pará, região Norte do Brasil removeu dos seus postos os servidores que haviam contado sobre as doenças que levaram à morte os índios.

A Fundação Nacional do Índio foi criada em 1967, em pleno regime da ditadura e que deu aos índios o mesmo tratamento do Serviço de Proteção ao Índio (SPI) muito provavelmente utilizando dos mesmos métodos que o SPI usava com os índios, inclusive o de escraviza-los, semelhando ao que o governo Golpista do Michel Temer, bem como todo o parlamento e o judiciário golpistas estão fazendo com os trabalhadores e a população pobre do Brasil.

Houve por parte do governo Dilma Rousseff, na Comissão Nacional da Verdade, ao final de 2014 um pedido de uma Comissão Indígena da Verdade, porém, com os golpistas de plantão no país, a CNV que já era algo limitado para mostrar as atrocidades do regime militar, a partir do impeachment da Dilma esta possibilidade fica ainda mais remota. Caso o golpe não seja derrotado a história de massacre dos índios ficará nos anais da história e acumulará ainda mais mortes.

artigo Anterior

RS: Sartori fecha cinco órgãos públicos e quer fechar mais sete

Próximo artigo

Hoje, na Avenida Paulista, ato contra um ano do golpe do impeachment

Leia mais

Deixe uma resposta