Caso José Mayer: a lei não é para todos

Compartilhar:

O ator José Mayer foi acusado por uma figurinista de abuso sexual depois de muito assédio e ele ter chegado a tocar suas partes íntimas nos bastidores da Rede Globo.

Depois de tentar abafar o caso, a Folha de S. Paulo, onde a acusação foi publicada, chegou a apagar o post de sua página na internet, a Globo fez toda uma encenação de campanha contra o assédio. O caso tornou público o que deve ser comum com atrizes e funcionárias em um ambiente de assédio permanente por detrás das câmeras.

Diante da repercussão do caso e tendo sido afastado das produções globais, José Mayer pediu desculpas publicamente. Tudo ficou por aí. A polícia não foi acionada, não houve ameaça de processo, acusação formal, investigação.

Imaginemos se se tratasse de um pobre coitado nessa mesma situação? Se seu caso caísse na imprensa a demagogia seria exatamente pela punição dura e exemplar.

Recentemente a lei de estupro foi modificada (com apoio da esquerda pequeno-burguesa) e atos libidinosos e abusos como o praticado pelo ator passaram a ser enquadrados como estupro. Considerando essa nova interpretação, o ator poderia estar sendo acusado de estupro, o que não poderia ser perdoado por um pedido de desculpas. Pelo menos não pela lei, pela Justiça. Onde está a mesma esquerda pequeno-burguesa? Onde estão os justiceiros do Ministério Público que adoram prender?

Se for contra pobre ou pessoa perseguida politicamente a pena vai ser dura. Tudo depende de que lado você está. Ou seja, a pena pode ser dura, por que é para alguns.

É como no caso da perseguição política ao PCO. O DEM disse que o PCO e Rui Costa Pimenta deve sofrer processo criminal pelas coisas que diz. Mas Jair Bolsonaro, que falou coisas que se enquadram na lei de racismo, não foi enquadrado. Olha que ele poderia ter sido preso ali mesmo, em flagrante.

O PCO não quer mais leis repressivas, não quer prender ninguém, pois isso é sempre uma armadilha que você arma contra você mesmo. No entanto, o fato é que a lei é para todos, mas alguns não fazem parte desse todo. Aumentaram as leis e as penas ficaram para os pobres.

artigo Anterior

Pressionado, governo estuda “mudanças” na reforma da Previdência para manter ataque

Próximo artigo

Construir um partido revolucionário, uma tarefa essencial do atual estágio político

Leia mais

Deixe uma resposta