Feminismo na Globo, só quando visa o lucro

Compartilhar:

O “feminismo” da rede Globo já está incomodando todos aqueles que levam o problema da emancipação e luta da mulher como algo sério. O ator José Mayer, um dos maiores atores da emissora, foi acusado de assédio sexual contra uma figurinista da emissora. No primeiro momento a Globo golpista proibiu o ator de se retratar, ou de explicar o caso, mas depois foi publicada uma nota do próprio José Mayer explicando a acusação.

A Globo, após todo o caso “mal entendido” envolvendo uma de suas estrelas da novela das oito, vestiu mais uma vez a fantasia democrática e cínica, e transformou o assédio sexual ocorrido em um dos seus camarins, de um dos seus grandes galãs, em uma peça de marketing social e demagogia.

Ao suspender Mayer de suas produções, estimular um “movimento feminista” em seus corredores e forçar o ator a admitir o erro, a Globo passou uma imagem de ser realmente preocupada com a integridade física e psicológica de suas funcionárias, atrizes e mulheres em geral. No último final de semana, a direção da emissora foi pressionada por funcionárias, muitas delas atrizes de renome. Esperta, a cúpula da Globo soube usar a energia do inconformismo a seu favor.

Convictos de que Mayer abusara da figurinista, ergueram o código de conduta ética da emissora, peça que já condena todo tipo de assédio entre seus colaboradores. Mais do que isso, os executivos estimularam uma manifestação em curso nesta terça-feira. Funcionárias da emissora passaram a vestir uma camiseta com a frase “Mexeu com uma, mexeu com todas”.

Le Pen recusa vestir véu

A Globo mostra, com essa inciativa de protesto, o quanto é fácil para a burguesia fazer demagogia com a luta das mulheres. Até Marine Le Pen, candidata de extrema-direita da França, conseguiu usar a luta das mulheres para atacar os muçulmanos. Le Pen recusou-se a usar véu e reunião com líder islâmico no Líbano, e a reunião teve que ser cancelada.

A Globo, assim como Le Pen, que se disfarça de democrática, progressista e defensora da liberdade das mulheres e sua emancipação, são na verdade totalmente contrária a qualquer igualdade entre homens e mulheres, ou até mesmo, do direito das próprias mulheres. Le Pen é de extrema-direita e a Globo é direitista e também golpista.

A Globo defende a funcionária que foi assediada por José Mayer, mas apoiou uma imensa campanha contra uma das mulheres mais importante do Brasil, a presidenta Dilma Rousseff. A Globo incentivou que canalhas, corruptos, escravagista e golpistas tomassem conta do país, não só incentivou mas foi uma dos carros chefes da campanha golpista no país.

A Globo apoiou que a direita entrasse no poder, tirasse a aposentadoria das mulheres, as leis trabalhistas, a saúde, educação pública de todas as mulheres brasileiras. A rede Globo é a principal imprensa que faz campanha contra o aborto e a favor da privatização de serviços públicos, que beneficiam toda a classe trabalhadora e as mulheres.

Sendo assim, nenhum aplauso para a rede Globo, assassina do povo pobre e trabalhador e das mulheres. A Globo golpista, que apoia todos os ataques da direita contra a classe trabalhadora, não deve ser estimada pela população, e principalmente pela esquerda. A solução dos golpistas, que a Rede Globo apoia para o país, é uma solução que escraviza e coloca na miséria toda as mulheres brasileiras.

artigo Anterior

Veja o que você realmente “ganha” com a reforma da Previdência

Próximo artigo

Golpistas promovem o primeiro rebaixamento de salários em 14 anos

Leia mais

Deixe uma resposta