EUA ameaçam Coreia do Norte, verdadeiro alvo é a China

Compartilhar:

Em sua conta no Twitter, o presidente dos EUA, Donald Trump, declarou o seguinte nesta sexta-feira (17): “A Coreia do Norte está se comportando mal. Por anos eles brincaram com os EUA. A China fez muito pouco para ajudar”.

O comportamento “ruim” da Coreia do Norte é ter seu próprio programa nuclear. Em visita à Coreia do Sul, o Secretário de Estado Rex Tillerson afirmou que “estamos explorando uma nova gama de possibilidades de medidas diplomáticas, de segurança e econômicas. Todas as opções estão na mesa”. Acrescentando que entre essas opções estaria uma intervenção militar direta, caso a Coreia do Norte aumente suas “ameaças”.

A Coreia do Norte fica do outro lado do mundo e os EUA têm o maior arsenal nuclear do planeta. Acusar a Coreia do Norte de ser uma ameaça é ridículo. Mas é com esse pretexto que os EUA vão continuar intervindo na região. Atualmente, os norte-americanos estão realizando um exercício militar conjunto com a Coreia do Sul. Recentemente, um sistema de defesa foi instalado no país, supostamente para se defender da Coreia do Norte. O verdadeiro alvo, no entanto, é a China.

O governo chinês acusou os EUA de estar tentando impedir que os próprios chineses possam se defender de ataques nucleares com o equipamento que instalaram na Coreia do Sul. O imperialismo utiliza a Coreia do Norte como um pretexto para apertar o cerco à China.

A próxima parada da viagem de Tillerson é justamente a China, em uma ofensiva diplomática dos EUA. Ao assumir o mandato, Trump chegou a declarar que não reconhecia a “China única”, declarando reconhecer a independência de Taiwan. Posteriormente Trump voltou atrás, mas mostrou assim grande hostilidade aos chineses. Esta é uma crise que expressa a dificuldade do imperialismo em manter seu domínio sobre os países atrasados, uma dificuldade que levou a uma crise política nos próprios EUA, colaborando para eleger Trump.

 

artigo Anterior

É possível derrotar a reforma da previdência “pressionando” os deputados?

Próximo artigo

A politicagem pérfida do Estadão

Leia mais

Deixe uma resposta