O peso da “estabilidade política” não valeu para Dilma

Compartilhar:

Quando a Presidenta legitimamente eleita Dilma foi deposta por um golpe de Estado em meados de 2016, a imprensa burguesa não se levantou para lembrar que a deposição de um governante legitimamente eleito, segundo suas próprias regras eleitorais, era um perigo para a estabilidade política do País. Agora, com a derrocada do governo golpista, os mesmos meios de comunicação se insurgem para defender a chamada estabilidade política, mas qual estabilidade política interessa a eles?

Seria a estabilidade política para garantir seus interesses? Estariam eles lutando pelo interesse da maioria do povo brasileiro?

Na realidade, o que a imprensa golpista expressa ao se preocupar com a “estabilidade política” é a diferença de tratamento com o governo de Michel Temer em relação ao que foi com o governo do PT. A burguesia se unificou para derrubar Dilma, levando o País à destruição econômica que está sendo sentida agora com a recessão cada vez maior. Mas a burguesia estava disposta a colocar em risco o País para colocar no lugar um governo de confiança.

Para derrubar Michel Temer, a direita precisa antes garantir que ele termine o serviço de devastação do País. Essa é a “preocupação” com a estabilidade que os golpistas dizem. No final das contas, como fica claro desde o início do golpe, não importa a corrupção, ela só serve como cobertura para a política dos golpistas.

 

artigo Anterior

Para as Forças Armadas, não há ajuste fiscal

Próximo artigo

Velvet Underground & Nico e a Banana de Warhol completam 50 anos

Leia mais

Deixe uma resposta