Lula: a pedra no sapato dos golpistas

Compartilhar:

As recentes pesquisas de intenção de votos para a presidência revelam qual o principal obstáculo para os golpistas conseguirem aplicar a política que almejam. Lula ganha em todos os cenários e sua distância dos demais candidatos apenas aumenta.

Por causa desta situação, é cada vez mais difícil para os golpistas manterem a aparência democrática do regime, depois de terem derrubado o governo de Dilma Rousseff. Os principais partidos da burguesia têm cada vez menos popularidade e voto, enquanto toda a campanha contra o PT não conseguiu reduzir o poder eleitoral do partido, sobretudo do seu principal líder.

Se houver uma nova eleição e ela for minimamente democrática, Lula será eleito novamente. Estas pesquisas revelam a farsa da campanha contra a corrupção, das manifestações coxinhas, que sempre tiveram como um dos alvos principais, o ex-presidente Lula. Mesmo depois de toda esta operação, Lula apenas cresce nas pesquisas, revelando que a direita nunca conseguiu um verdadeiro apoio popular.

Isto revela que o golpe não tinha como objetivo uma mudança pontual e momentânea, não era apenas para retirar Dilma Rousseff. Um dos objetivos do golpe agora é retirar o PT da disputa política Para isso, o sistema tem que se revelar uma ditadura aberta, pois é o único meio de conseguirem prender Lula, impedir o partido de lançar um candidato ou fechar o partido que, é o maior de esquerda do país.

Por mais moderado e conciliador que o PT já é, o regime político não é capaz de assimilar, de tolerar a presença do partido como uma das maiores forças políticas do país. A burguesia quer uma política de ataques radicais contra a população, acabar com todo tipo de garantia social, como salário mínimo, aposentadoria, saúde e educação pública. Por este motivo, não há espaço para uma política de conciliação.

Por este motivo, logo que saíram novas pesquisas apontando o aumento da popularidade de Lula, a burguesia ampliou a campanha contra ele. Mesmo durante o período do falecimento de Marisa Letícia, a campanha contra o ex-presidente não cessou.

Por outro lado, revelar a verdadeira face do regime, torná-lo em uma ditadura aberta, é algo muito arriscado para um governo que pretende aplicar uma série de medidas impopulares. No meio deste processo, pode se desencadear uma mobilização verdadeiramente revolucionária da população.

artigo Anterior

Metroviários de São Paulo tem greve marcada contra o governo tucano

Próximo artigo

Aumento na conta de luz é “culpa da Dilma”

Leia mais

Deixe uma resposta