A entrega das Estatais

Compartilhar:

A ideia do “combate à corrupção” levada adiante pela direita golpista, que destituiu a primeira mulher a ocupar o cargo máximo no país, tem como um dos seus fundamentos a entrega do que restou, depois da política entreguista da famigerada era FHC, o patrimônio nacional.

Recentemente foi anunciada a entrega de um reservatório que é considerada a coluna de óleo mais extensa do pré-sal, o campo de Carcará. Este Campo, que segundo estudos premilinares apontam que o ativo contenha pelo menos 6 bilhões de barris recuperáveis de óleo e gás, foi doada para a petrolífera norueguesa Statoil pelo valor de U$ 2,5 bilhões, com o volume estimado em 858 milhões de barris o Campo de Carcará foi entregue por míseros U$ 0,70 por barril.

A política de desmonte da Petrobras já vem se desenvolvendo desde o ano de 1995 com o governo de FHC, que em nome da falsa estabilidade econômica, aprofundou os ataques às condições de vida da classe trabalhadora com diversas privatizações, e com a derrota da greve dos petroleiros, se aproveitou da desmoralização do movimento abrindo caminho para a sua privatização.

Em 1997 o governo do PSDB modificou a forma jurídica da Petrobrás, transformando a empresa em Sociedade Anônima, vendendo suas ações na bolsa, para que especuladores internacionais, que já influenciavam nas suas decisões, pudessem ter mais poder sobre a companhia.

A mudança também ocasionou a substituição de trabalhadores concursados, por trabalhadores terceirizados, com salários reduzidos e uma carga horária muito maior que o trabalhador direto da Companhia.

Hoje a Petrobrás tem 80% de sua mão de obra terceirizada o que significa que os trabalhadores brasileiros são os primeiros a pagar pelos gigantescos lucros dos especuladores estrangeiros com a riqueza nacional.

Por meio da Operação Lava Jato,  contando com a participação ativa da imprensa capitalista, a direita retomou a campanha de forma intensiva pela a privatização da empresa utilizando a corrupção como pretexto. É uma operação levada a cabo pelo Ministério Público e o Judiciário que em sua “caça as bruxas” como estratégia política, visa não só a destruição do patrimônio brasileiro e a destruição dos direitos dos trabalhadores, mas também com o objetivo final o golpe de Estado.

Contra esta política de destruição da economia nacional, é preciso levantar os trabalhadores e o conjunto dos explorados, mobilizando-os por meio de suas organizações de luta tradicionais e dos comitês de luta contra o golpe, para derrotar o golpe, anular o impeachment e barrar a ofensiva destruidora da economia nacional que está procurando impor um processo de enorme retrocessos nas condições de vida dos trabalhadores.

 

 

artigo Anterior

O PCO no Carnaval do Distrito Federal

Próximo artigo

Cartel do Metrô, os éticos tucanos não sabiam de nada

Leia mais

Deixe uma resposta