Maduro anuncia 50% de aumento do salário mínimo

Compartilhar:

Diante da guerra econômica perpetrada pela direita e o imperialismo contra a Venezuela, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, anunciou nesse domingo um aumento de 50% do salário mínimo. Com o novo aumento, o salário passou a 104.638 bolívares (R$ 33,5 mil). Maduro lembrou que durante 17 anos de governos chavistas o salário mínimo aumentou 35 vezes, contra nove aumentos nos 40 anos anteriores.

Durante o anúncio, Maduro afirmou que “essa defesa do salário dos trabalhadores é para equilibrá-lo enquanto houver essa guerra, seguiremos com uma política audaciosa, justa, necessária, para buscar uma harmonia, em equilíbrio, de empregos e de salários”. O governo denuncia há anos uma guerra não convencional em curso para derrubar o presidente Nicolás Maduro (e anteriormente Hugo Chávez).

Apesar do esforço da direita golpista na Venezuela, o fato de que o governo venezuelano confrontou a direita teleguiada que age sob os interesses do imperialismo evitou até agora que o governo caísse. Há mais de dez anos a direita venezuelana tenta derrubar o governo chavista por meio de um golpe. Em 2002, uma tentativa fracassada de derrubar Hugo Chpavez foi derrotada por uma forte reação popular, com o povo tomando as ruas de Caracas e cercando o Palácio de Miraflores, sede do governo, então sob o controle de golpistas de direita.

O programa da direita golpista para a Venezuela, em nome do qual promovem uma guerra para desestabilizar o país e derrubar o governo, é o programa do imperialismo para todos os países atrasados diante da atual etapa da crise capitalista. Um programa de liquidação do patrimônio nacional, ataques aos salários e direitos trabalhistas e combate às organizações operárias e populares em geral. Um programa que para ser implementado demandará uma forte repressão contra a população.

artigo Anterior

Manaus segue sem controle dos presídios

Próximo artigo

PSDB aumenta a tarifa do transporte, mesmo com decisão judicial contrária

Leia mais

Deixe uma resposta