Golpistas impuseram cárcere privado a petroleiros da Replan, no Natal

Compartilhar:

Diante da decisão, tomada no último dia 23, de paralisar atividades contra a proposta da direção golpista da Petrobras  de redução da jornada com redução dos salários e contra o reajuste miserável e parcelado, os trabalhadores da refinaria Replan, em Paulínia, ficaram mais de 40 horas em cárcere privado na Replan, na véspera do Natal (dia  24).

Segundo informou o sindicato dos petroleiros, os trabalhadores ficaram exaustos e sem condições de continuar a operação da refinaria. A direção do Sindicato protocolou um pedido de troca dos trabalhadores por uma equipe de contingência da empresa. Também entrou com um pedido de habeas corpus, na Justiça do Trabalho, para garantir a saída do petroleiros. Em resposta: “A  Replan enviou uma carta estabelecendo que o Sindicato se responsabilizasse pela indicação dos nomes dos petroleiros e que ficariam sob a supervisão da empresa”.

O Sindicato não aceitou as condições da empresa e registrou no dia 24 um boletim de ocorrência, relatando a situação dos trabalhadores e a tentativa de acordo, sem êxito, com a refinaria.

Os Petroleiros de todo o país vem sendo perseguido paulatinamente pelos golpistas, pois o objetivo dos mesmos é privatizar integralmente a Petrobras (que já tem mais de 70% de suas ações sob o controle de capitalistas privados) e suas refinarias.

O Caso da Replan é mais um duro ataque à categoria. Não respeitam mais os direitos e garantias individuais dos trabalhadores (como o direito de ir e vir) nem a jornada de  trabalho. Rasgaram a Constituição e pisotiaram a Consolidação das Leis Trabalhistas.

À luta dos petroleiros deve ser amplamente apoiada por todos os setores do movimento operário. À ela deve se somar uma ampla campanha de esclarecimento de outros setores fundamentais da classe operária, sobre os ataques do governo golpista e sobre a necessidade de derrotar o golpe e anular o impeachment para impedir o brutal retrocesso que e quer impor nas condições de vida da imensa maioria do povo brasileiro.

artigo Anterior

39ª Universidade do PCO: o melhor programa para suas férias

Próximo artigo

“Festas”, por Renato Aroeira

Leia mais

Deixe uma resposta