PSTU e o maravilhoso mundo sem imperialismo

Compartilhar:

“Teoria da conspiração”. É como o PSTU classifica a tese, provada e comprovada diga-se de passagem, do golpe de Estado no Brasil.
Em artigo intitulado “A Lava Jato e a teoria da conspiração”, o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) ridiculariza a ideia de que a Lava jato tenha sido uma ação orquestrada pelos EUA para derrubar o governo do PT.
E para eles, o fato de ser uma “teoria da conspiração” já invalida toda a tese.
Mas o que é a “teoria da conspiração”? É nada mais que uma expressão inventada pelos maiores conspiradores do mundo para impedir que a população descubra suas suas conspirações.
Assim qualquer denúncia de um complô é imediatamente desconsiderada com uma simples frase: “Ah, isso é teoria da conspiração”.
Exemplos não faltam.
Por acaso não foi denunciado por Edward Snowden, que está sendo perseguido por isso, que o governo dos Estados Unidos espionam o mundo inteiro, inclusive países imperialistas e que estava espionando a própria Dilma Rousseff?
E o que falar do golpe militar no Chile, no qual os especialistas norte-americanos tiveram participação direta, inclusive com armamento?
Podemos citar também a conspiração de Watergate, famosa e notória.
Sobre o Brasil, há inúmeros livros e um ótimo documentário (O dia que durou 21 anos) mostrando como os EUA articularam o golpe de 1964 no Brasil. Desde a campanha para a desestabilização de João Goulart até o posicionamento de uma frota naval para ajudar os golpistas.
Se não há conspiração, por que Julian Assange está abrigado na Embaixada do Equador para não ser preso pelo imperialismo por vazar documentos secretos do exército e do governo norte-americano?
Nesses documentos, José Serra aparece prometendo ao embaixador norte-americano que entregaria o pré-sal aos EUA em um governo seu. E por que Aloysio Nunes se dirigiu a Washington no dia seguinte à queda de Dilma Rousseff?
Esses documentos não revelam que as tais armas de destruição em massa que Saddam Hussein pretendia usar não passavam de um pretexto para os EUA invadirem o Iraque? Isso parece se parece bastante com uma conspiração para mim.
Uma lista das conspirações realizadas pelo imperialismo norte-americano (sem contar outras) seria tão extensa que mesmo uma enciclopédia não daria conta. O que dirá esse singelo artigo.
Um pouco de leitura, de filmes e documentários não faria mal aos militantes do PSTU.
Segundo eles, “teorias da conspiração não explicam os acontecimentos de maneira estrutural e histórica, como parte de um processo que tem como pano de fundo a economia, a luta entre as classes e como resultado de múltiplas determinações”. Ah, mas explicam sim! E todos os que acompanham o desenvolvimento do golpe sabem muito bem que o que move os EUA é a crise imperialista, a necessidade de ter um maior controle sobre suas colônias (como o Brasil), de tomar conta de nossas riquezas nacionais. Que o golpe é resultado do conflito entre setores da burguesia que tem interesses mais voltados para o mercado interno e setores mais pró-imperialistas.
Ou seja, não é um fenômeno espontâneo, mas de fato um complô organizado por determinados setores para derrubar outros. Senão teríamos que concluir não apenas que o que houve no Brasil não foi um golpe, como prega o PSTU, como que não existem golpes de Estado, pois os golpes necessariamente envolvem algum tipo de conspiração.
O PSTU diz não ter dúvida de que os EUA e outros países imperialistas dominam o Brasil. Mas seria uma dominação abstrata, pois dominar implica em ter o controle, em intervir, e isso implica sempre em fazer coisas secretas, conspirativas. Os tais documentos “top secret”. Isso significaria que toda a dominação do imperialismo é feita às claras. Todos seus objetivos declarados. A guerra do Iraque não era para controlar o petróleo, mas sim para derrubar um “ditador”. Nem criança acredita nisso.
Sobre a prisão dos empreiteiros, o PSTU ironiza: “[Obama] Está interessado em disputar as obras da Odebrecht em Angola e no Brasil?”. Como não? Por acaso o que significa o imperialismo senão o monopólio e a destruição de toda concorrência? O PSTU fala como se os EUA não tivessem interesse em dominar todos os mercados e deixasse a concorrência crescer livremente. Realmente acreditam que existe o livre-mercado que a direita tanto prega. Ganha o melhor, não há monopólios que controlam Estados, que impõem seus interesses.
Esse é o mundo de conto de fadas de que a Rede Globo e a Veja convencem seus leitores; não o mundo real.

artigo Anterior

“Construção”, por Vitor Teixeira

Próximo artigo

Serra: o voto popular deve ser respeitado… nos EUA?

Leia mais

Deixe uma resposta