Repressão a teatro é ditadura

Compartilhar:

A Polícia Militar de São Paulo, sob o comando do governador Geraldo Alckmin (PSDB), realizou mais um ato de barbárie nesta semana. A peça de teatro “Blitz – O império que nunca dorme”, estava sendo encenada no domingo (30) pela “Trupe Olho da Rua”, na Praça dos Andradas, quando foi interrompida com truculência por PMs. Os policiais impediram o prosseguimento da peça, agrediram e prenderam o ator e diretor da peça, Caio Martinez Pacheco e ainda impediu que pessoas que estavam na plateia filmassem o ocorrido.

A peça, que é baseada em um estudo dos artistas da violência policial, foi vítima do próprio objeto de pesquisa, sendo duramente reprimida.

O argumento usado pela Polícia Militar para interromper a peça é que ela desrespeitaria símbolos nacionais e a própria instituição. O espetáculo, no entanto, já havia sido aprovado pelo governo do estado, em dois editais públicos e em ambos ficou em segundo lugar, entre centenas de concorrentes. Por meio destes editais e de festivais de teatro, Blitz já foi encenada em várias cidades de São Paulo.

Segundo o grupo teatral, a peça já havia sido apresentada na mesma praça várias vezes, mas esta foi a primeira em que houve problema com a Polícia Militar.

“A gente faz na peça um retrato histórico da instituição como, por exemplo, o grande número de jovens negros mortos. Também fazemos uma referência aos MCs mortos aqui. Isso numa linguagem muito leve, humorística, em praça pública com um grau de atuação política muito dialética”, afirmou Martinez, em coletiva de imprensa sobre o ocorrido.

Dezenas de organizações, desde movimentos teatrais e de cultura em geral até a Ordem dos Advogados do Brasil repudiaram a ação, como um atentado contra a liberdade dos artistas.

A repressão a uma peça de teatro pela Polícia Militar, com a apreensão de materiais e levando um artista detido revela o nível da ditadura em que estamos vivendo. Os direitos mais básicos de liberdade de expressão estão sendo rasgados pela direita e é preciso resistir a isto de todas as maneiras possíveis.

artigo Anterior

Contribua para a ampliação e o fortalecimento da imprensa operária

Próximo artigo

Golpistas usam ENEM para atacar movimento dos secundaristas

Leia mais

Deixe uma resposta