Devastação da economia nacional

Compartilhar:

Sob uma fachada de melhora, “aperfeiçoamento” das análises e regras para financiamentos do BNDES a obras de infraestrutura fora do Brasil o governo golpista promove um gigantesco ataque à economia nacional.

Os golpistas estão a serviço do imperialismo, de capitalistas internacionais. Isso precisa ficar claro. Tudo o que for do interesse nacional é desconsiderado, jogado na lata de lixo. Incluindo interesses de setores da própria burguesia nacional.

Um desses setores é o da construção civil que já vem sofrendo com a Operação Lava Jato que promoveu grandes perdas, desemprego etc. Não se trata aqui de discutir se os contratos, acordos, ou a relação das empresas com políticos e empresas estatais estão corrompidas ou não, mas do reflexo dessas decisões e ações dos golpistas sobre a economia nacional de conjunto; e quais interesses estão por trás delas.

Nesse caso, as mesmas empreiteiras investigadas pela Lava Jato terão suspensos os repasses de empréstimos do BNDES para obras em outros países.

“25 empréstimos, que poderão ser cancelados definitivamente ou retomados após novas avaliações que têm como base ações de Tribunal de Contas. A lista divulgada pelo banco inclui financiamentos a exportações de serviços prestados por Odebrecht, OAS, Queiroz Galvão, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez em nove países: Angola, Cuba, Venezuela, Moçambique, Argentina, Guatemala, Honduras, República Dominicana e Gana. A carteira de exportação de serviços do banco tem 47 projetos, com financiamentos de US$ 13,5 bilhões. O Porto de Mariel, em Cuba, não faz parte da lista, porque os desembolsos já foram integralmente realizados” (O Estado de S. Paulo, 12/10/2016).

A decisão foi divulgada um dia depois de o Ministério Público Federal ter denunciado o ex-presidente Lula e o empresário Marcelo Odebrecht por crimes como corrupção ativa, lavagem de dinheiro e tráfico de influência, por contratos relacionados com obras em Angola, na África.

Já foi denunciado que junto com Lava Jato começou a ser discutido que empresas estrangeiras pudessem explorar o mercado da construção civil. Assim como esse ramo, o que pretendem é a abertura da economia nacional para a exploração dos grandes monopólios internacionais.

É assim com o petróleo e a Petrobrás, por exemplo. Neste caso fica claro pois se trata de uma riqueza nacional e uma empresa estatal, cujos patrimônio e lucros existem para o benefício de toda a população brasileira.

Ao contrário do que diz a imprensa e o governo golpista tudo o que está sendo feito não visa “recuperar a economia nacional”, gerar empregos ou qualquer outra falácia do tipo, o que estão promovendo é uma verdadeira devastação da economia nacional e até mesmo setores da burguesia local estão perdendo com isso.

A derrubada do governo petista foi para isso. Os governos Lula e Dilma, de conciliação de classes, eram governos tipicamente nacionalistas-burgueses que assim como outros governos da América Latina se tornaram uma ameaça aos interesses do imperialismo e, como consequência, se tornaram alvos e vítimas de investidas golpistas. É assim na Venezuela e outros.

O que está em jogo na luta contra o golpe é a defesa de direitos, de organizações, da esquerda, mas também do patrimônio e da economia nacional.

artigo Anterior

O troca troca no Congresso para aprovar o ataque contra o povo

Próximo artigo

“Bomba relógio”, por Latuff

Leia mais

Deixe uma resposta