Teleguiados: na ONU, EUA usam Paraguai para atacar Venezuela

Compartilhar:

Quinta-feira (29), o governo do Paraguai apresentou em Genebra, na ONU, uma declaração condenando a crise na Venezuela. Trata-se de um golpe orquestrado pela diplomacia dos EUA, que procurou o Paraguai para apresentar a declaração na esperança de dar a impressão de que a iniciativa teria partido da própria região. O governo da Venezuela apontou que o Paraguai está agindo a serviço dos EUA, o que nem  imprensa burguesa teve como esconder, diante das manobras escancaradas da diplomacia dos EUA. O Brasil não aderiu à declaração porque o governo golpista prefere investir no golpe na Venezuela por meio de manobras na OEA (Organização dos Estados Americanos).

A declaração pede que a Venezuela aceite uma inspeção internacional conduzida pela ONU para receber “ajuda internacional”. Entre os 30 países que assinam, o Paraguai é o único da região. Os EUA já não procuram disfarçar sua participação nas tentativas da direita de substituir o governo na Venezuela. O apoio norte-americano ao golpe tornou-se aberto. Agora o imperialismo exerce uma pressão para intervir na Venezuela, o que foi rejeitado pelo governo de Nicolás Maduro.

O imperialismo impulsiona tentativas de golpe na Venezuela há mais de dez anos. Como em toda a região, o objetivo é substituir o governo nacionalista burguês por um governo servil aos interesses do imperialismo norte-americano. A Venezuela tem hoje as maiores reservas de petróleo do mundo. Além disso, em todo o mundo o imperialismo procura impor governos neoliberais. Diante da nova etapa da crise em que o capitalismo entrou a partir de 2008, os capitalistas precisam fazer com que os trabalhadores paguem pela crise intensificando a exploração.

Esse é o sentido da intervenção norte-americana na política de países atrasados em toda parte. Por isso impulsionaram os golpes no Brasil, no Egito, na Ucrânia, em Honduras e no Paraguai, que agora é usado para atacar a Venezuela. É a mesma orientação que segue o chanceler golpista José Serra, embora o Brasil não esteja participando dessa última manobra diplomática. Como sempre, a ONU serve mais uma vez para que os EUA ataquem países atrasados em proveito de seus próprios interesses.

artigo Anterior

Radicalizar a greve dos bancários

Próximo artigo

Colômbia: o que aguarda as FARC depois da paz?

Leia mais

Deixe uma resposta