Há delações e delações

Compartilhar:

Reportagem publicada na Folha de S. Paulo denuncia que a delação de Léo Pinheiro, sócio e ex-presidente da construtora OAS, não teria incriminado o ex-presidente Lula, o que teria feito paralisar as negociações em torno de sua delação premiada.

O acordo de delação foi pedido pelo executivo por já ter sido condenado e corre o risco de voltar para a prisão em julho, caso o acordo não seja concluído.

O caso investigado é das obras feitas no triplex de Guarujá e no sítio de Atibaia, ambas apontadas de terem sido feitas como forma de pagamento de propina ao ex-presidente. O depoimento de Pinheiro, no entanto, aponta o mesmo que o de Lula, de que nenhuma das duas obras foram combinadas com o então presidente.

A primeira teria sido feita pela construtora para agradar Lula, mas ele e sua família se recusaram a tomar posse do apartamento, já a segunda foi feita a pedido de Paulo Okamoto, presidente do Instituto Lula.

A situação revela o grau de manipulação da Operação Lava Jato e que ela é o que denunciamos há tempos, uma operação para perseguir Lula e o PT. Essas delações são forçadas por meio da ameaça de prender políticos e executivos das empresas, para garantir que eles falem o que é de interesse dos golpistas, independentemente do que realmente aconteceu.

artigo Anterior

Ministério das raposas chega ao IBGE

Próximo artigo

Sábado, palestra sobre a Frente Popular e greve de junho de 1936 na França

Leia mais

Deixe uma resposta