PM invade Sindicato dos Metalúrgicos do ABC

Compartilhar:

No dia 11 de março, soldados da Polícia Militar invadiram o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, subsede de Diadema, onde ocorria um ato em desagravo às recentes ações da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público (MP) contra o ex-presidente Lula e o governo Dilma.

O encontro reunia políticos, o deputado federal Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho, e o deputado estadual Teonílio Monteiro da Costa, o Barba, e outros políticos petistas, ativistas do partido, sindicalistas e movimentos sociais .

De acordo com o deputado estadual e presidente do PT de Santo André, Luiz Turco: “Fomos surpreendidos com a chegada da Polícia Militar, que entrou no prédio do sindicato, sem justificativa, de forma ostensiva, criando um clima de tensão muito grande entre os companheiros presentes”

“Dois PMs, um tenente e um soldado invadiram a plenária, argumentando que queriam saber o que estava acontecendo no local. Logo após chegaram muitas viaturas fechando a rua em frente ao prédio do sindicato. Os soldados estavam armados com metralhadoras e revólveres. Parecia uma praça de guerra do lado de fora”, contou Luiz Turco.

Questionados sobre as razões da operação, os policiais afirmaram que “souberam que estava ocorrendo uma reunião de apoio a Lula e foram até o local averiguar”. Alegaram que alguém do recinto tinha telefonado. Os policiais anotaram números de documentos dos participantes da reunião e foram embora.

Com os ataques contra Lula e o PT – que vem se realizando há vários anos –, a direita busca abrir caminho para o aprofundamento em larga escala da onda direitista de ataques aos direitos democráticos do povo brasileiro, de brutal repressão contra as lutas dos trabalhadores e da juventude, de perseguição à organização política, sindical e social dos explorados.

O posicionamento do sindicato e do PT ainda é muito tímido frente a ofensiva brutal que se tem processado contra as organizações do movimento operário e estudantil e suas lideranças.O que existe no Brasil e um Estado de excesão,onde o Judiciário “rasga” a Constituição para colocar toda a esquerda e os movimentos sociais na cadeia.

Segue nota do Sindicato:

“O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, consciente de sua responsabilidade pela manutenção e aprimoramento do Estado Democrático de Direito que, com a intensa e permanente dedicação de todos os seus Membros, ajudou a estabelecer em nosso País, reprova as ações policiais registradas em sua sede de Diadema.

Ressalta que essa entidade sindical coopera para a consecução do bem comum, que abrange a dignidade da pessoa humana, a provisão das necessidades dos indivíduos e a consolidação de uma ordem jurídica justa, estável e segura. Enfatiza que o valor social do trabalhismo e o pluralismo político são fundamentos republicanos (art. 1º, CF).

Como as demais instituições responsáveis pela construção de uma sociedade livre, justa e solidária, busca o desenvolvimento nacional, especialmente com a superação pacífica e racional de crises, visando a erradicação da pobreza, da marginalização, do preconceito e das desigualdades sociais (art. 3º, CF).
São garantias invioláveis de todos, os recintos particulares e o direito de reunião das pessoas, até como natural expansão da sociabilidade humana (art. 5º, incs. XI e XVI, CF).

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC reprova os excessos das autoridades policiais que, ferindo o princípio constitucional da proporcionalidade, sem causa devida, violam os direitos e as garantias da intangibilidade dos locais particulares e da reunião das pessoas, colocando em risco a ordem pública, e insta o Poder Executivo Estadual a manter as suas forças policiais nos estritos limites da legalidade, contendo e corrigindo os abusos ocorridos e noticiados pela mídia.
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC

São Bernardo do Campo, 12 de março de 2016”

artigo Anterior

Temer sai da toca novamente

Próximo artigo

Uma manifestação de classe… burguesa

Leia mais

Deixe uma resposta